Jair Raso

Atuação

• Coordenador do Serviço de Neurocirurgia e Neurologia do Hospital Unimed BH • Neurocirurgião do Biocor Instituto, Belo Horizonte, MG Membro Titular da Academia Mineira de Medicina • Membro Titular da Sociedade Brasileira de Neurocirurgia • Membro do Congresso of Neurological Surgeons • Mestrado e Doutorado em Cirurgia pela UFMG

Especialidades

• Malformação • Artério Venosa • Aneurisma Cerebral • Cirurgia de Bypass • Revascularização Cerebral • Cirurgia de Carótida • Tumores Cerebrais • Descompressão Neurovascular • Doença de Moya-Moya Tumores da Base do Crânio Doppler Transcraniano

Contato

Alameda da Serra 400 / 404 - Nova Lima - MG (31)3264-9590 • (31) 3264-9387 jrasomd@yahoo.com.br

O melhor de 2016: o ano acabou!


É quase consenso entre as pessoas dizer que 2016 foi um ano ruim. Em meio a uma de nossas maiores crises econômica e política, seria difícil encontrar notícias boas para uma retrospectiva esperançosa.
Talvez a melhor notícia do ano de 2016 seja que ele acabou.
Entretanto, insisto em procurar reconhecer no pobre ano de 2016 um dos méritos que ninguém vai lhe tirar: foi um ano rico de novidades políticas no Brasil e no mundo.
Claro que foi um ano de crises. Entre nós, a crise política conseguiu o difícil feito de ser maior que a crise econômica.
Mas sempre é bom lembrar o significado de crise. Esta palavra tem grafia quase igual em todas as línguas do mundo: em inglês e espanhol crisis; alemão, Krisis; francês, crise; grego, Krísi; em chinês... bem, em chinês não vale.
Na história da medicina, crise era o momento decisivo de uma doença, que poderia, a partir dela, evoluir para a cura ou para a morte. O conceito foi adaptado séculos depois para a economia, marcando a transição de um curso de prosperidade e outro de depressão.
Se, na medicina, a crise aponta para um momento único, geralmente um dia, em economia, esse período pode ser bem maior. De qualquer forma, toda a crise anuncia uma transição. Ou seja, de alguma forma sairemos dela. E sairemos vivos.
Olhando bem para todas as transformações de 2016, fica claro que estamos vivendo em um Brasil diferente. Quem poderia imaginar que um dos maiores empresários brasileiros seria preso algum, dia acusado de corromper políticos? Mais ainda, quem imaginaria que um dos mais poderosos políticos do país terminasse o ano sem seu mandato e atrás das grades?  Nunca antes, na história deste país, você viu tantos políticos preocupados não com seu destino traçado pelas urnas, mas pelos juízes.
Penso que tais fatos devam ser lembrados quando o desalento da crise bater forte.
Escrevi que andamos nos últimos tempos com o péssimo hábito de replicar notícias ruins pela mídia. Vejo nisso uma forma de sofrimento que não é nada boa para saúde.
Talvez o ano novo possa trazer, como novidade, uma mudança de postura, a começar conosco mesmo. Proponho que sigamos à risca o conselho de Marco Polo:
Para não sofrer há duas maneiras: a primeira, que é fácil para a maioria das pessoas, é aceitar o inferno e fazer parte dele até não o perceber como inferno; a segunda, é arriscada e exige atenção e aprendizagem contínua: tentar conhecer quem e o que, no meio do inferno, não é inferno e preservá-lo e abrir-lhe espaço”

Façamos, pois, um 2017 diferente!




Revisão e formatação:
Ophicina de Arte & Prosa



[ Leia mais ]

Posted by Jair Raso 0 comentários »

Jornalite



Nestes tempos difíceis, há uma epidemia que acomete a grande maioria das pessoas: a jornalite. O sofrimento tem origem na compulsão de ler e divulgar, nas redes sociais notícias ruins.
Seja no Whats up, Sacebook ou nos e-mails divulgam-se, repetidamente, notícias sobre quedas de avião, assaltos, descalabros na política e maus resultados econômicos. Parece que todos estão de plantão, prontos para divulgar o que acontece de pior no mundo. Isso causa ansiedade, mau humor e, em casos graves, desesperança. .
Creio que é preciso combater a jornalite, que encontra sua cura justamente nas mesmas fontes da doença: as notícias.
O tratamento é simples: segundos antes de enviar uma mensagem , fazer uma análise crítica de seu conteúdo. Se for notícia ruim, não publique. Delete. Tenha certeza de que os destinatários já sabem do ocorrido, pois os jornais e revistas profissionais, em suas versões eletrônicas, já se encarregaram de transformar qualquer notícia ruim em manchete.
O próximo passo para se evitarem os males da jornalite, é mais trabalhoso, mas vale a pena.
Deve-se procurar, no mesmo veículo de onde se retirou a notícia ruim, uma outra. Mas essa notícia obrigatoriamente deve ser boa. Não é tarefa fácil, pois notícia boa não vende jornal, nem dá Ibope. Uma vez encontrada qualquer notícia boa, espalhe essa notícia em sua rede de contatos.
Outras medidas que devem ser tomadas para que os males da jornalite sejam neutralizados
·         Não assista a telejornais ou a canais de notícias;
·         Fuja da primeira página de qualquer jornal;
·         Vá direto para o caderno de esportes ou cultura;
·         Depois, leia os editoriais;
·         Crie o hábito de deixar as manchetes sensacionalistas por último. Mesmo assim, leia com distanciamento.
·         Antes de publicar qualquer notícia em sua rede de amigos, confira se a fonte é confiável;
·         Finalmente, o mais importante: procure notícias boas. Se não encontrar, escreva para os editores, reclamando.
Assim, o vício de ficar replicando notícias ruins, a jornalite, será gradativamente substituído pela virtude de se divulgar o que anda dando certo no mundo. É disso que precisamos.  

Revisão e formatação:
Ophicina de Arte & Prosa





[ Leia mais ]

Posted by Jair Raso 0 comentários »

Aumento de casos de AVC em jovens


Os fatores de risco para o acidente vascular cerebral, o derrame, são praticamente os mesmos do infarto do miocárdio: hipertensão arterial, tabagismo, obesidade, sedentarismo, diabetes e taxas elevadas de colesterol.
Isso representa uma vantagem, uma vez que medidas preventivas são eficazes para combater duas doenças relacionadas à morte precoce ou diminuição da qualidade de vida.
Ao longo do tempo, notadamente na segunda metade do século passado, o conhecimento desses fatores de risco para as doenças cerebrovasculares foi o grande responsável pela diminuição progressiva dos casos de acidente vascular cerebral ao longo dos anos.
Entretanto, essa tendência está se revertendo agora e por uma razão preocupante: o aumento de casos de AVC em jovens.
Estudo publicado no Journal of the American Heart Association de novembro de 2016 mostra que persiste o declínio de AVC em pessoas acima de 55 anos. Já os casos entre pessoas de 35 a 39 anos mais do que dobraram. 
Os pesquisadores concordam que a tendência se deva a fatores ligados ao estilo de vida. A geração dos baby boomers, nascidos entre 1945 e 1954, aprendeu a lição e passou a controlar melhor os fatores de risco, dentre eles o cigarro. Essa geração também escapou do excesso de consumo de açúcar e da epidemia de obesidade e diabetes.
A geração seguinte não seguiu o mesmo caminho. É alta a incidência de obesidade e sedentarismo em pessoas com idade inferior a 40 anos.
Some-se a isso o uso de pílula anticoncepcional que também é fator de risco conhecido sendo considerado um dos responsáveis pelo aumento de AVC em mulheres jovens.
A mensagem deste estudo é bem clara: desde jovens, as pessoas precisam investir na prevenção das doenças cardiovasculares e mantê-la por toda a vida.
Não fumar, controlar o peso, fazer atividade física regular e ter uma dieta adequada são passos fundamentais na prevenção.
Isso envolve o remédio mais difícil de tomar, mas o mais eficaz: mudança de hábito.
Além disso, tomar medicamentos para controle da hipertensão arterial e os níveis de colesterol, quando necessários, complementam a estratégia para se reverter essa tendência de aumento dos casos de AVC.

Nunca é demais lembrar que, na economia de saúde, investir em prevenção é sempre um bom negócio. 



Revisão e formatação:
Ophicina de Arte & Prosa

[ Leia mais ]

Posted by Jair Raso 0 comentários »

O livre movimento do pêndulo


Uma sequência de eventos políticos aponta para uma mudança na ordem no mundo. A mais importante delas foi a eleição de Donald Trump para presidente do império americano.
Antes disso, o plebiscito que referendou a saída dos britânicos da União Europeia apontava para o isolamento de outro império.
O discurso arrogante de Trump assusta boa parte do mundo. Sua proposta econômica protecionista, seu desprezo pelo meio ambiente e principalmente seu racismo têm agora oportunidade de saltar da verborragia para ações concretas. Não será tão fácil.  O salto anunciado certamente será diferente do realizado.
Em nosso cenário, as mudanças não foram menores. Mergulhados em crise econômica, em meio a escândalos e desmandos, mais um processo de impeachment desferiu um golpe em nossa jovem democracia. O governo Dilma acabou junto com a derrocada eleitoral de seu partido.
A maioria dos Estados não têm verbas sequer para pagar suas despesas básicas com o funcionalismo, a saúde e segurança.
Nas últimas eleições municipais, vimos campanhas inusitadas. Não foi o embate entre a esquerda e a direita, entre o capital e o trabalho. Nenhuma palavra de ordem socialista, capitalista nem de nenhuma outra ideologia empolgava. O desinteresse foi geral. Quem se deu melhor conseguiu convencer a inexpressiva maioria que a antiga política chegou ao fim. Em duas capitais, São Paulo e Belo Horizonte, empresários foram eleitos prefeitos com discurso de não serem políticos, como se isso fosse possível.
De qualquer forma, em casa ou no exterior, o desenho está traçado.  As ideologias de esquerda cederam espaço à ideia do Estado-empresa. Conseguiu-se emplacar a ideia de que os governos devem ser entregues a gestores e não a políticos.
Analistas de todos os cantos profetizam anos difíceis, verdadeiro retrocesso político e social nesta busca frenética por bons resultados econômicos.   Chegou-se a falar até no fim do mundo, do mundo que conhecemos até agora.
Eu enxergo todo esse cenário de forma diversa. Quando penso nessa dança política, a imagem que tenho é a de um pêndulo, oscilando de um lado mais liberal, social e ambiental para outro mais conservador, desigual e poluidor. No trajeto entre uma extremidade e outra, as mudanças de cada lado sempre deixam um rastro de avanços, quando depurados os excessos. O pêndulo não fica estagnado de um lado e, ao mover-se para o outro, deixa no caminho tudo aquilo que é de interesse comum.
Nesta mudança de agora, por exemplo, penso que os avanços sociais já conseguidos dificilmente serão surrupiados. O movimento do pêndulo nos ensina que não é possível acabar com a miséria por decreto, nem resolver a desigualdade quebrando o Estado e as corporações. Por outro lado, também nos ensina que as pautas sociais e ambientais nunca poderão ser ignoradas.    
De qual lado do pêndulo estou? Na última edição da Revista Filosofia, Ciência & Vida (vol. 118), o filósofo Renato Janine Ribeiro, professor de ética e filosofia política na Universidade de São Paulo, USP, afirma que a esquerda não é só uma posição política, mas um modo de vida.
Uma vida à esquerda está fundada no respeito à diferença, no combate à exclusão social, na defesa do meio-ambiente e, sobretudo, na crença dos poderes da liberdade.  
Mesmo que o cenário político atual mostre o pêndulo  se afastando deste lado, nosso modo de vida não vai mudar.

Afinal, para além das paixões políticas e ideológicas, o que nos interessa de fato é o livre movimento do pêndulo. 




Revisão e formatação:
Ophicina de Arte & Prosa
[ Leia mais ]

Posted by Jair Raso 0 comentários »

Olim...piada: esporte é saúde!

As Olimpíadas do Rio foram um espetáculo. O mundo todo pôde ver atletas de diversos países disputando as tão sonhadas medalhas olímpicas. Entretanto, esse espetáculo grandioso tem uma faceta pouco comentada: para se alcançar sucesso nesse tipo de competição, os atletas buscam o limite do corpo humano, a superação física e metas ambiciosas que fascinam o público.  Para além do glamour e das cifras bilionárias que acompanham os louros das vitórias,  há um preço solitário a ser pago pelo atleta: lesões agudas ou tardias em seu corpo provocadas por excesso de treinos e competições. 
Nas Olimpíadas do Rio, um halterofilista armênio, Andranik Karapetyan, quebrou o braço ao tentar erguer 195 kg.Na ginástica artística, o francês Samir Ait Said caiu de mau jeito durante a execução de seu salto e fraturou a perna; a ginasta brasileira, Jade Barbosa, não teve melhor sorte: caiu de joelhos e depois teve uma lesão no tornozelo, deixando o estádio olímpico em cadeira de rodas; a ciclista holandesa Annemiek van Vleuten liderava a prova de rua quando caiu, bateu a cabeça no meio fio e sofreu traumatismo craniano. Ao invés de ir para o pódio, acabou no CTI onde foi constatada contusão cerebral e fratura de vértebras lombares. Também em prova de rua, o ciclista colombiano Sergio Luis Henao fraturou a bacia, e  Vicenzo Nibali quebrou a clavícula; no futebol, na partida entre México e Fiji. O capitão do time mexicano Oribe Peralta fraturou o nariz, e o meio de campo Rodolfo Pizarro, a fíbula direita.  
O tornozelo foi o ponto fraco de outros competidores: após torção, o tenista alemão Dustin Brown desistiu da partida contra o brasileiro Thomaz Bellucci. Pelo mesmo motivo, o jogador de vôlei do Egito, Ahmed El Kotb, deixou a competição contra a Polônia na quadra do Maracanãzinho
No judô, na luta pela repescagem da categoria ligeiro contra a atleta da Mongólia, Urantsetseg Munkhbat, a judoca brasileira Sarah Menezes sofreu luxação no cotovelo direito e, após a derrota, saiu da arena com o braço imobilizado.
Marta Baeza, da esgrima, abandonou a disputa individual de sabre contra a polonesa Bogna Jozwiak, após torcer o joelho esquerdo.
No esporte, o tempo de recuperação do atleta lesado nem sempre é obedecido, por razões muitas vezes obscuras.
Lesões traumáticas acidentais realmente fazem parte do jogo, e a organização desses eventos leva em consideração a segurança de determinados esportes. O ciclismo de rua, por exemplo, pode ser revisto dentro dessa perspectiva. Não será a primeira vez. Nas Olimpíadas de Atenas de 1896, os organizadores instituíram uma nova competição ciclística na qual os atletas deveriam pedalar doze horas a fio. Sete atletas participaram, e só dois chegaram ao final da competição. Não foi difícil decidir pela retirada dessa modalidade como competição olímpica.
Nada,entretanto, justifica a brutalidade de determinadas modalidades ainda consideradas esportes. O Pancrácio, por exemplo, era um tipo de modalidade esportiva que fez parte dos jogos olímpicos entre os anos de 648 a. C. e 383 d. C.. Era uma forma mais violenta do que as lutas de MMA de hoje. Misturava técnicas do boxe, da luta grega e do vale-tudo ou quase tudo e só terminava quando um dos oponentes estava à beira da morte.
Hoje, até autoridades como Dr. Ricardo Munir Nahas, diretor da Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte reconhece que lesões traumáticas no boxe são corriqueiras, fazem parte do próprio esporte. Nas palavras deles, “quebrar o nariz lutando boxe não é nada absurdo”.
Esse tipo de conceito deve ser revisto. Há muito mais dano relacionado ao boxe do que fraturas dos ossos da face. As lesões cerebrais causadas por traumatismos repetidos na cabeça são irreversíveis e estão relacionados ao desenvolvimento tardio de um tipo de demência em tudo semelhante ao Alzheimer. Esporte como esse não deve ser considerado Olímpico. É Pancrácio disfarçado.

O espetáculo das Olimpíadas deve ser sempre louvado como uma ode ao esporte como meio eficaz de confraternização entre os povos.  Entretanto, é preciso levar mais a sério os limites naturais do corpo humano e a segurança dos atletas nas competições. Caso contrário, o mote “esporte é saúde” não passará de piada olímpica. 



Revisão e formatação:



[ Leia mais ]

Posted by Jair Raso 0 comentários »

Velhice e Solidão



“Solidão apavora
Tudo demorando em ser tão ruim
Mas alguma coisa acontece
No quando agora em mim
Cantando eu mando a tristeza embora”
Caetano Veloso, Desde que o samba é samba

Às vésperas da estreia de minha peça, “DDD: deleite, depois delete”, resolvi fazer uma pesquisa sobre a velhice com meus contatos no facebook . Afinal, essa comédia gira sobre três senhoras às voltas com a internet. Pensei ser mais do que adequado usar a internet para esse diálogo.
Lancei a seguinte pergunta: qual a doença mais grave da velhice?
Para minha surpresa, a resposta mais frequente não foi uma doença, foi a solidão. Vinte e dois por cento das respostas apontava a solidão como a “doença” mais grave da velhice. Se acrescentarmos abandono, invisibilidade e outras palavras que expressam o mesmo sentimento, o número de respostas é ainda maior. 
Confesso que esperava que as pessoas fossem se referir ao Alzheimer, ao derrame ou Parkinson, doenças comuns no envelhecimento. Foram poucas essas respostas.
Solidão não é uma doença. Segundo o Houaiss, solidão é um estado, uma sensação de quem se acha ou se sente desacompanhado, só, isolado do mundo.
O poeta Caetano, em sua canção “Desde que o samba é samba”, nos lembra que a solidão apavora, “tudo demorando em ser tão ruim”.
Talvez seja essa a razão dessa resposta prevalente. Não sei da idade da maioria das pessoas que respondeu à minha pesquisa. Certamente, não são todos idosos e falam da velhice como uma reflexão, baseados em suas experiências familiares ou em suas expectativas. Talvez seja este o recado. A velhice, tal como a solidão, apavora.
Montaigne (1533-1592), em seus Ensaios, trata a solidão como uma meta para a velhice. Nos diz: “É preciso ter como reserva um recanto pessoal, independente, em que sejamos livres em toda acepção da palavra, que seja nosso principal retiro e onde estejamos absolutamente sozinhos. Aí nos entreteremos de nós com nós mesmos, e a essa conversa, que não versará nenhum outro assunto, ninguém será admitido”.  
Ouvi num filme italiano que a doença mais grave da velhice é a aposentadoria.
Penso ser a inatividade, física ou mental.
Seja como for, a maioria de nós quer mesmo é seguir em frente, e a estação derradeira é justamente a velhice.

Talvez seja agora o tempo de nos prepararmos para chegarmos a essa estação. Sozinhos. 





Revisão e formatação:


[ Leia mais ]

Posted by Jair Raso 0 comentários »

Julgamento da história


Com a aprovação do processo de impeachment da presidente Dilma pelo Congresso, inicia-se o julgamento. Afastada de suas funções, Dilma será julgada pelos senadores da república em sessões presididas pelo Presidente do Supremo Tribunal Federal. Se condenada, perderá definitivamente seu cargo e não poderá exercer nenhuma atividade na vida pública por oito anos.
Sem nunca ter sido eleita para nenhum cargo público, Dilma Roussef foi candidata à presidência da república pelo Partido dos Trabalhadores em 2010. Conseguiu se reeleger em 2014, em parte por lidar com o orçamento da nação por meio de graves artifícios fiscais, peças-chave da acusação do impeachment, processo iniciado no ano seguinte de sua reeleição.
Um outro julgamento, entretanto, já estava em curso. Dilma chegou ao maior posto político da nação com o discurso de ser uma gerente de primeira qualidade, mãe do programa de aceleração do crescimento, capaz de alavancar ainda mais o programa social de seu partido. À frente do governo, seguiu em direção oposta.
Seu julgamento histórico é inevitável. Dilma mostrou-se incapaz de reunir as forças políticas em torno de seu frágil programa de governo e mergulhou o país em grave recessão. Impossível será desvincular seu nome, suas ações e omissões dos escândalos de corrupção tanto em seu governo como em empresas estatais. No futuro, deverá ser lembrada como artífice de uma das piores crises do Brasil.
O distanciamento é necessário para o correto julgamento pela história, que mostrará para as gerações futuras os erros não só dos governantes do presente, mas, sobretudo, de seus eleitores.
De cada crise como essa o Brasil sai fortalecido. É cada vez mais comum ouvirmos a política como assunto nas mais diversas rodas de conversas. O direito é convocado para balizar opiniões a favor ou contra  este ou aquele argumento. A economia do país passa a ser olhada com mais atenção, pois se aprende no bolso da economia caseira a vinculação de uma coisa e outra.
Comparo o que vivemos hoje no Brasil à queda do muro de Berlim, símbolo de uma ideologia.  O que está sendo posto por terra é o divórcio entre o discurso e a prática política. Para se ter um exemplo disso, basta ler as diretrizes do partido dos trabalhadores para seu governo e compará-las ao que foi feito.  Os alicerces dos projetos de governo não suportam a obsessão pelo poder, fundado em ideologia nem sempre manifesta em linguagem clara.
O povo mobilizado vai às ruas expressar sua opinião, em cores diversas, em gritos diversos, legítimas manifestações de civilidade. É a voz da diversidade, livre para ser ouvida de um lado ou de outro, sem necessidade de muros.
Penso que vivemos um tempo especial. A história, antes matéria de estudo em colégio, passa a ser vivida no cotidiano. No centro dessa história, a reforma política já está em curso e será percebida antes nas urnas do que pelos partidos.
Em seu discurso de posse, o vice-presidente em exercício, Michel Temer, propõe uma mudança de rumo na política, na economia, no próprio governo.  Foi um discurso de esperança, feito em bom português. Estávamos sentindo falta dessas duas coisas.
Segundo o mito, a esperança ficou guardada na jarra de Pandora, depois que todos os males de lá saíram. E ouvir o discurso de um presidente com o devido respeito à própria língua não deixa de ser um bom começo.



Revisão e formatação:




[ Leia mais ]

Posted by Jair Raso 0 comentários »